20 de ago de 2008

quem somos?

somos consumidos por mecanismos midiaticos de peso e de propagaçao em massa, com o intuito de nos criar desejos sobre produtos que nao precisamos, ter prazer em coisas totalmente futeis e desprezíveis que nos causam dependencia, engolir as merdas e as maluquices que a publicidade nos empurra; e o que é pior, a sermos esses cidadaos pacatos e submissos que encontramos ao sairmos nas ruas ou que nos deparamos ao olhar-mos no espelho.

sou árvore

minha raíz é meu passado
- minha história

meus galhos são meus caminhos
- que estou percorrendo

e minhas folhas são lançadas por onde passo:

nas palavras que falo,
nos riscos que escrevo,
nos sons que emito,
e até no grito que não gritei.

1 de ago de 2008

tre-chos, bruno nobru

não são poemas
mas fragmentos de paisagens
caminhos e passagens a brotar
raízes e galhos
embriões de rizomas
dum prelúdio para o porvir
ao encontro do autêntico tom
compondo um outro novo
a se afinar consigo próprio

partindo de si
sendo o próprio tua origem
concordando ou discordando
cuspindo e movimentando
publique com teu nome
com nome falso ou sem nome
todos somos livres para ir onde quiser
vamos voar!

_____________________________________
link para baixar o livro em .pdf
http://www.nobru.vze.com/nobru_trechos.pdf

teatro

- a encenação da vida cotidiana

23/6/08

muitos estão encenando, diariamente, o tempo todo, como num filme.

tal como atores representam, sem receber nada em troca - pelo simples prazer de representar, escravos da aparência e do hábito.

a preocupação não esta em ser, mas em parecer ser.

numa necessidade de afirmar uma existência, seja ela qual for.

e... quem não consegue ser o que é, faz teatro pra tentar ser o que não é.

ainda vai demorar um bom tempo pra se perceber que a gente não é algo pronto, mas que estamos num constante movimento do fluir da vida.

ingênuo o que tenta me julgar como algo definido e estático, tão simplista e parecido com si mesmo...

está muito claro que eu somos diferentes, e que eu não sou você.